Nossos posts mais acessados: Posso substituir minhas refeições por suplementos?

 

suplementos-alimentares-parte2

Publicado originalmente por Gabriela Prando em 02/02/2015

Frequentemente atendo pacientes interessados em facilitar a vida e substituir as refeições por suplementos alimentares. Quando digo refeições, estou me referindo também ao almoço e o jantar. As justificativas para tal substituição são inúmeras, alguns me falam sobre facilidade, outros…  comodidade, aí vem a praticidade e por aí caminha a conversa…

Eu não tenho absolutamente nada contra a suplementação, pelo contrário, em muitos casos sou totalmente a favor, desde que não seja a substituição completa do alimento, principalmente no almoço e no jantar. Quando elaaboro uma dieta e conduzo uma consulta,  não sou o tipo de profissional que inclui as castanhas e os vegetais e os grãos na alimentação,  sou aquela nutricioista que inclui o resto dos alimentos nessa dieta.

Eu não sei se muitos sabem o que é uma dieta ou um plano alimentar, mas ela vai muito além apenas de sua composição em carboidratos, gorduras e proteínas. As propriedades nutricionais dos alimentos estão longe de serem apenas as dos macronutrientes. Nos últimos 50 anos a nutrição evoluiu como nunca e a falta dos micronutrientes na dieta está, cada vez mais, sendo relacionada à morbidade e mortalidade.

Resultado de imagem para suplementos

Mas que isso tem a ver com suplementação?

Ora, se você quer se alimentar somente de suplementos (aqueles comuns, maltodextrina, Whey-protein, albumina), onde pensa que vai encontrar os micronutrientes, e em especial os fitonutrientes dos alimentos? Eu não estou me referindo a carboidratos, proteínas e gorduras, equilibrar isto é fácil. Eu estou me referindo à outra parte nutricional dos alimentos, como o alfacaroteno, as antocianinas, as betalaínas, os flavonoides, os fitoesteróis, os sulfetos alílicos… – encontrados somente em alimentos naturais.

Perder peso é fácil, qualquer revista  ensina (e olha que nem precisa ser de alimentação), porém as dietas costumam não ser equilibradas, personalizadas e muito menos funcionais. Aquele personal trainer , aquela blogueira e aquele amigo de academia deviam ser condenados por “instruírem” pessoas leigas baseados apenas em quantidades de gorduras saturadas ou quantidade elevadas de proteína.

Aquele biscoito ou aquele frango que você come não contém nenhuma carga importante de antioxidantes ou de fitonutrientes e estes sim são os verdadeiros “remédios” na luta contra doenças virais, envelhecimento e o tão temido câncer. A dieta pobre em fitonutrientes (que não estão presentes nos suplementos comuns) é provavelmente responsável por sistemas imunológicos debilitados e o aumento da incidência de câncer nas populações – principalmente da norte americana, que além de suplementos, vive a base de “fast foods” e de produtos processados.Resultado de imagem para alimentos processados

 

Os alimentos processados ganharam a indústria e aos poucos foram sendo fortificados com vitaminas para suprirem doenças como anemias, bócio e escorbuto. O resultado? Hoje quase todo o mundo se alimenta de produtos processados, deixando de lado alimentos naturais e mais nutritivos como vegetais, frutas e castanhas. A consequência? Sistema imunes debilitados, envelhecimento precoce, aumento da incidência de doenças transmissíveis e não transmissíveis.

A simplificação exagerada da alimentação humana levou à cultura da ingestão de suplementos que, podem sim, levar a uma ingestão adequada de macronutrientes, mas deixa muito a desejar na diversidade de micronutrientes, sem falar no prazer de comer. Por exemplo, uma dieta com 20% de gordura pode ter uma oferta de micronutrientes adequada ou não, o mesmo para uma com 40% de gordura. Então não é a proporção entre gorduras e carboidratos que importa para a saúde, o que importa mesmo é a absorção dos micronutrientes que muitas vezes precisam (pasmem!!) da gordura para serem absorvidos.

Não é uma dieta pobre em gordura e rica em proteínas que vai te fazer mais saudável (uma pausa para o frango com batata doce) muito menos  o abuso na ingestão de suplementos que bate recordes de venda a cada ano.

Os suplementos são apenas complementos alimentares e não servem para substituir refeições. E a revista de moda não tem a dieta ideal para você, em caso de dúvida, melhor consultar uma nutricionista.

escritopor2gabriela

O Nosso Post Mais Acessado: Vegetais Crucíferos, o que são? Qual a sua importância?

Resultado de imagem para cruciferos

Post escrito por Gabriela Pando e publicado em 23/11/2013

 

Couve-flor, espinafre, brócolis, nabo, rúcula, agrião, mostarda rabanete e couve de Bruxelas são também conhecidos como vegetais crucíferos. Já comprovados cientificamente, esses vegetais possuem além de vitaminas e minerais, substâncias com propriedades anticarcinogênicas.

Esses vegetais possuem compostos fitoquímicos chamados glucosinolatos que são importantes para a saúde pois conferem proteção para as células durante o estresse oxidativo e ativam enzimas de detoxificação hepática.

Mas, como nem tudo na vida é perfeito, os glucosinolatos precisam de uma enzima hidrolítica para “se soltarem”. Um dano físico no tecido vegetal como lesão, mastigação ou preparo para o consumo, já é suficiente para que a enzima entre em contato com o substrato, desencadeando assim o processo de hidrólise (o processo para “soltar” o composto)

Resultado de imagem para nabo

Os produtos finais dessa hidrólise resultam nos compostos isotiocianatos que apresentam propriedades anticarcinogênicas e são responsáveis também pelo sabor e odor característico desses vegetais.

 

Vários fatores interferem na quantidade de isotiocianatos presentes nesses vegetais, tais como fatores genéticos, ambientais, período pós-colheita, armazenamento, processo térmico adotado para o preparo, dentre outros.

Vou falar um pouco a respeito do processo térmico que está mais dentro da minha área, quanto aos demais aspectos, temos os profissionais capacitados para tais…

 

Resultado de imagem para brocolis in boiled water

A quantidade de água na cocção e a temperatura da água no momento do cozimento do vegetal interferem diretamente nos níveis de glucosinolatos, causando não só a perda desses fitoquímicos, mas também de co-fatores enzimáticos como ácido ascórbico e ferro. Já o cozimento no vapor causa um efeito contrário, promovendo maior liberação dos isotiocianatos e mantendo os co-fatores enzimáticos. O efeito do cozimento utilizando o forno micro-ondas é bem parecido com o cozimento no vapor – ao se tratar das propriedades do alimento – mas eu particularmente prefiro no vapor, o vegetal fica mais bonito.

Assim, fica claro que os vegetais crucíferos, quando cozidos no vapor, trazem inúmeros benefícios para a nossa saúde. Embora a quantidade ideal a ser consumida para a prevenção de doenças ainda não tenha sido estabelecida, converse com o seu nutricionista. Ele é o profissional que vai te orientar quanto as quantidade que você precisa consumir. Cada caso é um caso.

Relacionado

Nutrição: o que é mito e o que é verdade?

Em “Batata e Saúde”

Regras da Comida: Regras Números 22 a 25:Que tipo de comida devo comer ? Parte 1

Em “Batata e Saúde”

Óleo – Marca, qualidade ou quantidade?

Em “Curiosidades”

Publicado em Batata e Saúde, Curiosidades por Marina Silva. Marque Link Permanente. Editar

E a repercussão:

9 respostas em “Vegetais Crucíferos, o que são? Qual a sua importância?”

  1. Excelentes observações, obrigada!
  2. Os crucíferos são bociogênicos? o Ideal é seu consumo 2 a 3 vezes na semana?
  3. MARIA LUIZA SIQUEIRA em 27 de outubro de 2015 às 12:13 disse: EditarComentar ↓
  4. Marina, eu sou avó e tenho notado vícios alimentares nas crianças de hoje, muito mais que nos anos 70, 80… Chamo de vícios porque criam dependências. Muitos crianças não aceitam alimentos comuns e saudáveis da nossa cultura. Não acho que comer guloseimas em festinhas ou com pouca frequência venha a estimular essa dependência. Há escolas que são boas exceções no que se refere à alimentação de seus alunos. Tomara que deixem de ser exceções. No geral, não seguem critérios de uma alimentação saudável. Nem mesmo o que os pais escolhem para a lancheira. Não defendo, nem consumo a alimentação macrobiótica. Mas, oferecer às crianças biscoitos recheados, refrigerantes, salgadinhos com muito sal e gordura todos os dias… É o que tenho visto em público: nos parques, áreas comuns de condomínios, praias, clubes… Muito raramente são oferecidos frutas, sucos e outros alimentos saudáveis. E isso as crianças aceitam “numa boa”. Interpreto como uma questão de hábito.

Regra 39: Coma todas as besteiras que quiser, desde que você mesmo as cozinhe

Imagem relacionada

“Coma todas as besteiras que quiser, desde que você mesmo as cozinhe.”

Continuando na tarefa de publicar as regras alimentares simples, estas é regra número 39 das 64 regras da comida publicadas por Michel Pollan em 2009 (ver post)


Sempre ouço uma pergunta em meu consultório: “Quer dizer que você vai me proibir de comer doces ? Ou frituras ? Ou torresmo ?. A resposta é não ! Primeiro, porque não há alimentos proibidos, há alimentos mais ou menos recomendados e segundo porque você pode e deve comer de tudo.


Então qual o problema ?


Resultado de imagem para potato chips industry

 

De novo a mesma resposta de sempre – A INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA. Elas fizeram que os alimentos ficassem tão baratos e acessíveis, que agora é muito fácil ingeri-las em uma quantidade muito maior do que o faríamos antes.

Nossa própria batata frita: não precisa mais ser descascada, cortada e fritada e depois limpar a a sujeira. Ela está ali, prontinha na prateleira de qualquer loja de conveniências, até mesmo em postos de gasolina. Como diz Michael Pollan: “Se todas as batatas fritas que você comeu tivessem sido feitas por você, você as comeria muito mais raramente, nem que fosse pela preguiça em prepara-las.”

Resultado de imagem para compotas de mamão

É a mesma coisa com os doces (são deliciosos os doces de frutas mineiros, mas vá prepará-los para ver o trabalhão que dá), tortas, guloseimas e até com o frango frito (dá mais trabalho fritar um frango do que entrar na fila do KFC).


Assim, nossa mensagem final: desfrute essas guloseimas sempre que estiver disposto a prepará-las – é bem provável que você use ingredientes mais saudáveis que a indústria e que esta vontade não o acometa todos os dias.

Bom final de semana

 

TODAS AS REGRAS:

Regra 1: Coma Comida (Ler Post)

Regra 2: Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida (Ler post)

Regra 3: “Evite produtos alimentares que contenham ingredientes que nenhum ser humano comum tenha na despensa” (Ler post)

Regra4: “Evite produtos alimentícios que contenham xarope de milho com alto teor de frutose” (Ler post)

Regra 5: Evite produtos que contenham alguma forma de açúcar (ou adoçante) listada entre seus três primeiros ingredientes” (Ler post)

Regras 6 e 7:  (Ler post): ”Evite produtos alimentícios que contenham mais de cinco ingredientes” e “Evite produtos alimentícios que contenham ingredientes que um aluno do terceiro ano não consiga pronunciar “

Regra 8: (Ler post): “Evite produtos alimentícios com propaganda de propriedades saudáveis”

Regra 9: “Evite produtos alimentícios que tenham no nome os termos ‘light’, ‘baixo teor de gordura’ou ‘sem gordura’” (Ler post)

Regras Número 10 e 11:  “Evite alimentos que estejam fingindo ser o que não são ” e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza” (Ler post)

Regra  Número 12:  “Compre nos corredores ao longo das paredes do supermercado e fique longe do centro “(Ler post)

Regras  Número 13 e 14:  “Só coma alimentos que acabarão apodrecendo”e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza”(Ler post)

Regras 15,16 e 17: “Fuja do Supermercado Sempre Que Puder” “Compre seus lanches na feira””Se veio de um vegetal, coma, se foi fabricado, não coma”(Ler post)

Regras Número 18 e 19: “Fuja do supermercado sempre que puder”; “Compre seus lanches na feira (Ler post)

Regras Número 20 e 21: “Só coma alimentos preparados por humanos” ou “Não ingira alimentos preparados em locais nos quais se exige que todo mundo use touca cirúrgica”(Ler post)

Regra 22: Coma principalmente vegetais, sobretudo folhas. (Ler post

Regra 23: Comer o que fica em pé numa perna só (cogumelos e vegetais) é melhor que comer o que fica em pé em duas patas (aves), que é melhor que comer o que fica em pé em quatro patas (porcos,vacas e outros mamíferos). (Ler post)

Regra 24: Faça refeições coloridas. (Ler post)

Regra 25: Beba a água do espinafre. (Ler post)

Regra 26: Coma animais que se alimentaram bem (Ler post)

Regra 27:Se tiver espaço compre um freezer (Ler post)

Regra 28:  Adoce e salgue a sua comida você mesmo (Ler post)

Regra 29: Coma os alimentos doces como você os encontra na natureza (Ler post)

Regra 30: Coma como um onívoro (Ler post)

Regra 31: Coma alimentos cultivados em solo saudável (Ler post)

Regra 32: Coma alimentos silvestres quando puder (Ler post)

Regra 33: Não se esqueça dos peixinhos oleosos (Ler post)

Regra 34: Coma alguns alimentos que foram pré-digeridos por bactérias ou fungos (Ler post)

Regras 35,36: Adoce e salgue sua comida você mesmo; Coma os alimentos doces como você os encontra na natureza (Ler post)

Regras 37 e 38 : Quanto mais branco o pão mais cedo você vai para o caixão – Que tipo de dieta devo comer /Dê preferência aos tipos de óleo e de grãos moídos em mós – (Ler post)

Regra 32:Coma alimentos silvestres quando puder – Que tipo de comida devo comer? Parte 6

Resultado de imagem para mamoeiro

Retornado das férias, voltamos a publicar as regras alimentares simples, esta é a  a regra número 32 das 64 regras da comida publicadas por Michel Pollan em 2009 (ver post)

Coma alimentos silvestres quando puder

Dois vegetais, que são ervas daninhas, são citados como sendo dois dos mais nutritivos do mundo

A anserina-branca ou ançarinha branca

Resultado de imagem para ançarinha-branca

Porção de 180 g

  • 58 Calorias
  • 1,3 g Gordura
  • 9,0 g Carboidratos
  • 5,8 g Proteínas
Conhecida como ançarinha branca, é da mesma família do espinafre. Originária da Europa, é tratada como planta super daninha e invasora no resto do mundo. Mas pelo menos nas cidades a gente quase não vê.

e a beldroega,

Portulaca oleracea, é uma daquelas plantas que a maioria chama de “mato”. Dá em qualquer canto, em sol ou sombra, em solo ruim, pedra, areia, tanto faz, em qualquer canto de muro, fundo de quintal, esquina de baldio essa planta dá.

Estes são apenas dois exemplos de plantas silvestres que fazem bem à saúde. Os campos e as florestas estão cheios de plantas ricas em fitoquímicos, frequentemente mais que as suas variantes domesticadas. Por quê ? Porque estas plantas têm que se defender de pragas e doenças sem nenhuma ajuda humana (leia-se defensivos agrícolas) e também porque tendendemos a selecionar as variedades mais suaves e doces.

Outro motivo é que para aumentar a vida útil em prateleira selecionamos plantas com baixos níveis de ácidos graxos ômega-3, uma vez que estas gorduras oxidam rapidamente.

Algumas plantas silvestres comestíveis:algumas bem comuns podem ser incluidas na sua dieta habitual, outras dão mais trabalho.

  • Acácia (Algumas espécies de acácia produzem frutos comestíveis)
  • Rosa Silvestre (Frutos carnudos de tom avermelhado aparecem durante a floração e podem ser comidos)
  • Árvore fruta-pão:
  • Taboa: Várias partes desta planta encontrada em brejos são comestíveis: brotos, pólen e a raiz
  • Cacau no pé
  • Carvalho: O carvalho gera pequenos frutos comestíveis
  • Vagem de ervilha-verde: As sementes são comestíveis
  • Agave: Folhas, caule, flores e néctar são comestíveis
  • Jaqueira: Fruto comestível
  • Palmeira do dendê: O caule gera palmitos comestíveis
  • Bananeira: a fruta é comestível
  • Palmeira: Fruta comestível
  • Amora Silvestre: Os frutos são comestíveis
  • Mamoeiro: Fruto comestível
  • Figo da Índia: Fruto comestível
  • Caruru-de-Cacho: Frutos comestíveis
  • Cajuzeiro: Fruto comestíve
  • Cana-de-açúcar: Caule comestível
  • Claytonia perfoliata

(Quer ver as imagens destas frutas ? : Clique no link Discovery

TODAS AS REGRAS:

Regra 1: Coma Comida (Ler Post)

Regra 2: Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida (Ler post)

Regra 3: “Evite produtos alimentares que contenham ingredientes que nenhum ser humano comum tenha na despensa” (Ler post)

Regra 4: “Evite produtos alimentícios que contenham xarope de milho com alto teor de frutose” (Ler post)

Regra 5: Evite produtos que contenham alguma forma de açúcar (ou adoçante) listada entre seus três primeiros ingredientes” (Ler post)

Regras 6 e 7:  (Ler post): ”Evite produtos alimentícios que contenham mais de cinco ingredientes” e “Evite produtos alimentícios que contenham ingredientes que um aluno do terceiro ano não consiga pronunciar “

Regra 8: (Ler post): “Evite produtos alimentícios com propaganda de propriedades saudáveis”

Regra 9: “Evite produtos alimentícios que tenham no nome os termos ‘light’, ‘baixo teor de gordura’ou ‘sem gordura'” (Ler post)

Regras Número 10 e 11:  “Evite alimentos que estejam fingindo ser o que não são ” e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza” (Ler post)

Regra  Número 12:  “Compre nos corredores ao longo das paredes do supermercado e fique longe do centro “(Ler post)

Regras  Número 13 e 14:  “Só coma alimentos que acabarão apodrecendo”e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza”(Ler post)

Regras 15,16 e 17: “Fuja do Supermercado Sempre Que Puder” “Compre seus lanches na feira””Se veio de um vegetal, coma, se foi fabricado, não coma”(Ler post)

Regras Número 18 e 19: “Fuja do supermercado sempre que puder”; “Compre seus lanches na feira (Ler post)

Regras Número 20 e 21: “Só coma alimentos preparados por humanos” ou “Não ingira alimentos preparados em locais nos quais se exige que todo mundo use touca cirúrgica”(Ler post)

Regra 22: Coma principalmente vegetais, sobretudo folhas. (Ler post

Regra 23: Comer o que fica em pé numa perna só (cogumelos e vegetais) é melhor que comer o que fica em pé em duas patas (aves), que é melhor que comer o que fica em pé em quatro patas (porcos,vacas e outros mamíferos). (Ler post)

Regra 24: Faça refeições coloridas. (Ler post)

Regra 25: Beba a água do espinafre. (Ler post)

Regra 26: Coma animais que se alimentaram bem (Ler post)

Regra 27:Se tiver espaço compre um freezer (Ler post)

Regra 28:  Adoce e salgue a sua comida você mesmo (Ler post)

Regra 29: Coma os alimentos doces como você os encontra na natureza (Ler post)

Regra 30: Coma como um onívoro (Ler post)

Regra 31: Coma alimentos cultivados em solo saudável (Ler post)

Batata e Ciência: Como enganar o seu cérebro para desejar uma alimentação saudável

5.2.-David-Muñoz-Langostinos-con-coco

Mudar hábitos alimentares é uma tarefa difícil para nós que trabalhamos com nutrição. As dietas da moda têm resultados de curta duração  e quem as  a segue, muitas vezes acaba frustrado pelas restrições ou dificuldades práticas. Quando se trata de modificar os hábitos alimentares de uma família, o desafio costuma ser ainda maior, pois temos que ter soluções que atendam as necessidades nutricionais de todos os seus membros.Agora, um novo ramo de estudos, a Gastrofísica, nos ajuda a reforçar alguns conceitos simples. Este é o tema de um artigo publicado  recentemente pelo jornal inglês The Guardian. 

A Gastrofísica é um tipo de ciência, por assim dizer, dedicada a pesquisar os sabores dos alimentos e como eles se combinam para criar uma melhor percepção  do gosto. É uma disciplina que reúne, ao mesmo tempo, profissionais de várias disciplinas como psicólogos,neurocientistas,especialistas em marketing e economia.

https://medioambienteynatural.files.wordpress.com/2015/06/diverxo.jpg?w=454&h=340

Esta  equipe de especialistas não estuda apenas o gosto dos alimentos, mas sim o seu sabor, porque, tecnicamente, o gosto só acontece na língua, enquanto o sabor é parte de um efeito mais global para a pessoa. O que estes cientistas querem estudar é como os alimentos interagem para determinar o modo como percebemos os sabores. A partir daí podemos usar pequenos truques  para “enganar” o nosso cérebro e induzir-nos a uma maior saciedade. Vamos a alguns truques:

  1. Enganando o seu cérebro

Há algumas mudanças simples que você pode fazer e que podem ter um efeito profundo sobre a sua saciedade. As pesquisas mostram que o uso de  louças menores tende a levar o nosso cérebro a acreditar que estamos comendo mais, um fenômeno psicológico que pode ser melhor ilustrado dando uma olhada na ilusão de óptica Delboeuf.

A ilusão de Delboeuf é uma ilusão ótica da percepção do tamanho relativo.Na sua versão mais conhecida , dois círculos de tamanho idêntico  são colocados lado a lado e um é circundado por círculo externo. O círculo circundado parecerá maior que o não circundado se o círculo externo estiver próximo e menor se o anel externo estiver mais afastado.

One large plate and one small plate, both holding the same amount of food

Se você colocar duas porções idênticas de comida em um prato grande e em um prato pequeno, a porção no prato maior vai parecer menor, e vice-versa: o nosso cérebro não pode deixar de ser enganado por este efeito, mesmo quando sabemos que elas são iguais.

Também sabemos que servir a comida em uma pote,  em lugar de um prato, pode dar a sensação de há um maior volume, mais uma vez enganando  nosso cérebro e levando-o a pensar que há mais lá do que é realmente é o caso.

Uma pesquisa mais recente mostra ainda  que o peso de talheres e pratos tem também um efeito significativo sobre o apreço para com as refeições que comemos;  pratos, facas e garfos mais pesados oferecem maiores níveis de saciedade.

Qual a conclusão ? Sirva suas refeições em pequenas tigelas pesadas  e use  talheres também pesados para comer !

2. Torne difícil o ato de comer

 

Isto pode parecer um pouco ridículo, mas as pesquisas mostram que, se somos forçados a comer com uma mão não dominante vamos geralmente consumir menos. Mas isso não quer dizer que, necessariamente você vai ter que tornar a sua experiência de comer menos agradável. Tente usar outras maneiras criativas para  interagir com o seu alimento, como o uso de colheres de sopa japonesas para tomar a sopa, ou pauzinhos para outros tipos de alimentos – qualquer coisa, de fato, que o impeça de simplesmente por a comida rapidamente em sua boca. Alimentação consciente é a chave aqui.

3. Nada de comer em frente à TV

Nós acabamos de mencionar atenção e parece que este é um dos principais contribuintes para o quão bem e quanto nós comemos. As pesquisas mostram que consumimos cerca de 30% a mais quando estamos envolvidos em outras atividades, como assistir televisão.

Tais distrações estão se tornando muito mais comuns na mesa de jantar. Na verdade, muitas pessoas nem sequer usam o espaço reservado para o  jantar em casa, preferindo comer em frente à TV,  ou enquanto usa smartphones . No entanto, checar  mensagens e atualizar a sua rede social são maneiras infalíveis de garantir que você não está focado no alimento que você está comendo; você vai aprecia-lo menos, o que inevitavelmente resulta em redução de saciedade e ao cometimento de excessos.

Assim, o conselho aqui é para desligar a TV, coloque o telefone a carregar no outro quarto e sente-se em uma mesa de jantar para desfrutar plenamente a sua refeição.

4. Use todos os seus sentidos para comer:

Uma alimentação multissensorial nos faz comer, reforçando simultaneamente a outros sentidos, como olfato ou visão. Mas  por multissensorial se entende  mais do que isso. A ideia é ajudar as pessoas a ser verdadeiramente conscientes dos pratos a que eles são apresentados.Em casa, isso pode ser tão simples como,  antes de comer cheirar sua comida e realmente apreciar os aromas. (Muitos pesquisadores acreditam que até 90% do que percebemos como o sabor vem do nosso sentido de cheiro.)

Segurar  uma taça quente em sua mão também ajuda, assim como mastigar adequadamente (sua mãe estava certa …) e exalar enquanto você mastiga – o que estimula os receptores olfativos e aumenta ainda mais o sabor dos alimentos.

Finalmente, o foco na textura. É interessante notar que nós consumimos menos calorias quando comemos maçãs do que quando comemos purê de maçã, e menos calorias com purê de maçã do que o suco de maçã, porque nós temos mais informações sensitivas do purê do que do suco, e mais ainda da maçã real. Em outras palavras, nossos cérebros usam a quantidade de sensação que recebemos a partir da  textura como uma das pistas para nos dizer quando parar de comer.

Viu, é bem fácil enganar o nosso cérebro, não é mesmo?

Este post foi largamente inspirado na tradução do artigo:How to trick your brain into healthy eating disponível em The Guardian

Regras da Comida: Regras Número 18 e 19: “Fuja do supermercado sempre que puder”; “Compre seus lanches na feira”

Vai lanchar no meio da manhã ou no meio da tarde ? Não vá a um supermercado, e se for vá direto à sessão de frutas e hortaliças. Mas o melhor mesmo é comprar seu lanche na feira, ou no caso aqui de Belo Horizonte no Mercado Central ou nos Mercados Distritais. Lá você pode comprar frutas secas, frutas frescas, castanhas ou nozes em vez de salgadinhos e doces. Não dá para comparar. Ou melhor dá sim é só acompanhar pela balança.

 

Estas é são as regras número 18 e 19 das 64 regras da comida publicadas por Michel Pollan em 2009 (ver post).

 

TODAS AS REGRAS:

Regra 1: Coma Comida (Ler Post)

Regra 2: Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida (Ler post)

Regra 3: “Evite produtos alimentares que contenham ingredientes que nenhum ser humano comum tenha na despensa” (Ler post)

Regra 4: “Evite produtos alimentícios que contenham xarope de milho com alto teor de frutose” (Ler post)

Regra 5: Evite produtos que contenham alguma forma de açúcar (ou adoçante) listada entre seus três primeiros ingredientes” (Ler post)

Regras 6 e 7:  (Ler post): ”Evite produtos alimentícios que contenham mais de cinco ingredientes” e “Evite produtos alimentícios que contenham ingredientes que um aluno do terceiro ano não consiga pronunciar “

Regra 8: (Ler post): “Evite produtos alimentícios com propaganda de propriedades saudáveis”

Regra 9: “Evite produtos alimentícios que tenham no nome os termos ‘light’, ‘baixo teor de gordura’ou ‘sem gordura'” (Ler post)

Regras Número 10 e 11:  “Evite alimentos que estejam fingindo ser o que não são ” e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza” (Ler post)

Regra  Número 12:  “Compre nos corredores ao longo das paredes do supermercado e fique longe do centro “(Ler post)

Regras  Número 13 e 14:  “Só coma alimentos que acabarão apodrecendo”e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza”(Ler post)

Regras 15,16 e 17: “Fuja do Supermercado Sempre Que Puder” “Compre seus lanches na feira””Se veio de um vegetal, coma, se foi fabricado, não coma”(Ler post)

%d blogueiros gostam disto: