Regra 41: Coma mais como os franceses. Ou os japoneses. Ou os italianos. Ou os gregos

Resultado de imagem para comida francesa

Continuando na tarefa de publicar as regras alimentares simples, estas é regra número 41 das 64 regras da comida publicadas por Michel Pollan em 2009 (ver post)

“Coma mais como os franceses. Ou os japoneses. Ou os italianos. Ou os gregos”

O que eles têm em comum ? Uma cultura alimentar bastante tradicional, o que faz com que se utilizem menos de alimentos processados, cada vez mais presentes na dieta dos ocidentais.

Segundo Pollan, “qualquer dieta tradicional serve, se ela não fosse saudável, quem a seguisse não continuaria por aí. Este é um dos motivos pelos quais se promove tanto as cozinhas regionais. Organizações, como a italiana Slow Food chegam a ter uma “arca do sabor” para poder promovê-las. Nós mineiros, podemos e devemos nos orgulhar de nossa cozinha típica e dizer, assim como os franceses, que, embora abundante em gorduras, ela é para lá de saudável.

Resultado de imagem para italian food

Um detalhe importante: não basta apenas comer como um francês, ou japonês ou um mineiro, temos também que prestar a atenção, não apenas no que, mas também como esta cultura se relaciona com o alimento. Montes de gordura, farinha branca, açúcar dificilmente explicariam porque a alimentação francesa pode ser considerada saudável e invejável. O segredo  porções menores, comer sem pressa, não repetir, não beliscar , nenhum destes ingredientes faz parte dos costumes destes povos. Resultado de imagem para milho com feijão mexicano

Outro detalhe: preste atenção nas combinações tradicionais. O milho por si só tem várias deficiências nutricionais, mas se for cozido com limão e comido com o feijão, como ensina a tradição mexicana, estará resolvido o problema da falta de alguns aminoácidos , corrigida pelo feijão, e da deficiência de niacina, pelo limão.Resultado de imagem para frango com orapronobis

Lembre-se as dietas tradicionais já foram largamente testadas, ao longo dos séculos, por isto representam mais que a soma dos alimentos que as constituem.

 

TODAS AS REGRAS:

Regra 1: Coma Comida (Ler Post)

Regra 2: Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida (Ler post)

Regra 3: “Evite produtos alimentares que contenham ingredientes que nenhum ser humano comum tenha na despensa” (Ler post)

Regra 4: “Evite produtos alimentícios que contenham xarope de milho com alto teor de frutose” (Ler post)

Regra 5: Evite produtos que contenham alguma forma de açúcar (ou adoçante) listada entre seus três primeiros ingredientes” (Ler post)

Regras 6 e 7:  (Ler post): ”Evite produtos alimentícios que contenham mais de cinco ingredientes” e “Evite produtos alimentícios que contenham ingredientes que um aluno do terceiro ano não consiga pronunciar “

Regra 8: (Ler post): “Evite produtos alimentícios com propaganda de propriedades saudáveis”

Regra 9: “Evite produtos alimentícios que tenham no nome os termos ‘light’, ‘baixo teor de gordura’ou ‘sem gordura’” (Ler post)

Regras Número 10 e 11:  “Evite alimentos que estejam fingindo ser o que não são ” e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza” (Ler post)

Regra  Número 12:  “Compre nos corredores ao longo das paredes do supermercado e fique longe do centro “(Ler post)

Regras  Número 13 e 14:  “Só coma alimentos que acabarão apodrecendo”e “Coma alimentos feitos com ingredientes que você pode imaginar crus ou crescendo na natureza”(Ler post)

Regras 15,16 e 17: “Fuja do Supermercado Sempre Que Puder” “Compre seus lanches na feira””Se veio de um vegetal, coma, se foi fabricado, não coma”(Ler post)

Regras Número 18 e 19: “Fuja do supermercado sempre que puder”; “Compre seus lanches na feira (Ler post)

Regras Número 20 e 21: “Só coma alimentos preparados por humanos” ou “Não ingira alimentos preparados em locais nos quais se exige que todo mundo use touca cirúrgica”(Ler post)

Regra 22: Coma principalmente vegetais, sobretudo folhas. (Ler post

Regra 23: Comer o que fica em pé numa perna só (cogumelos e vegetais) é melhor que comer o que fica em pé em duas patas (aves), que é melhor que comer o que fica em pé em quatro patas (porcos,vacas e outros mamíferos). (Ler post)

Regra 24: Faça refeições coloridas. (Ler post)

Regra 25: Beba a água do espinafre. (Ler post)

Regra 26: Coma animais que se alimentaram bem (Ler post)

Regra 27:Se tiver espaço compre um freezer (Ler post)

Regra 28:  Adoce e salgue a sua comida você mesmo (Ler post)

Regra 29: Coma os alimentos doces como você os encontra na natureza (Ler post)

Regra 30: Coma como um onívoro (Ler post)

Regra 31: Coma alimentos cultivados em solo saudável (Ler post)

Regra 32: Coma alimentos silvestres quando puder (Ler post)

Regra 33: Não se esqueça dos peixinhos oleosos (Ler post)

Regra 34: Coma alguns alimentos que foram pré-digeridos por bactérias ou fungos (Ler post)

Regras 35,36: Adoce e salgue sua comida você mesmo; Coma os alimentos doces como você os encontra na natureza (Ler post)

Regras 37 e 38 : Quanto mais branco o pão mais cedo você vai para o caixão – Que tipo de dieta devo comer /Dê preferência aos tipos de óleo e de grãos moídos em mós – (Ler post)

Regra 39: Coma todas as besteiras que quiser, desde que você mesmo as cozinhe- (Ler post)

Regra 40: “Seja o tipo de pessoa que toma suplementos – depois retire os suplementos” (Ler o post)

Nossos posts mais acessados: Whey protein pode causar desconforto ?

 

Publicado originalmente por Marina Silva em 13 de Outubro de 2013

Resultado de imagem para whey protein



Com as notícias vinculadas recentemente pela internet sobre fraudes de suplementos, é necessário que o nutricionista tome consciência de seu papel na elaboração de novos produtos de forma caseira e de alguns riscos inerentes do processo de concentração e industrialização dos alimentos.
Alguns pacientes relatam enjoo e dor abdominal ao utilizar suplementos concentrados, principalmente na forma hidrolisada. Isto ocorre por que proteínas HIDROLISADAS  (quebradas a aminoácidos)  podem ser totalmente ou parcialmente hidrolisadas, levando a um aumento da concentração de aminoácidos livres.
Imagem relacionada
Os componentes nutricionais que mais influenciam a osmolaridade da solução são principalmente os açúcares mais simples; os aminoácidos cristalinos e, em menor grau, os peptídeos; e o cloreto de sódio (NaCl). Aminoácidos isolados apresentam uma  osmolaridade (capacidade de “reter” água), mais alta que proteínas intactas e acabam causando  “perda da agua intracelular” para o estômago e intestino, o que pode causar  desconforto. Os lipídeos não influenciam a osmolaridade, pois não formam solução.
Para nivelar a osmolalidade da solução de nutrientes no lúmen intestinal, os capilares das vilosidades cedem água por difusão. Portanto a osmolaridade dos produtos deve-se aproximar o máximo possível da osmolaridade plasmática (290 mOsm/l). O estômago suporta bem até 550 de carga osmolar, mais do que isso tende a causar diarréia e vômito (GAYTON, 2006; WAITZBERG, 2006; NETO, 2003)
Imagem relacionada

Durante a atividade física, a suplementação de BCAAs pode resultar no aumento da síntese proteica muscular, diminuição do catabolismo proteico durante e após o exercício segundo os fabricantes, mas estes dados não são comprovados cientificamente.
Entretanto, doses acima de 20g/kg/dia de BCAA podem provocar problemas gastrointestinais, como diarreia e comprometer a absorção de outros aminoácidos (WILLIAMS, 1998). Os suplementos normalmente tem alta osmolaridade por conter grande quantidade de sódio, açucares e neste caso aminoácidos isolados (decorrente da hidrólise), além disto alguns estudos mostram que o whey protein poderia aumentar o nível circulante de insulina, levando ao aumento da adiposidade abdominal, inflamação dos enterócitos, e consequente resistência á insulina e diabetes tipo 2 (FISCHBORN, 2009; LIMA, 2007; HARAGUCH, 2006).

 

Resultado de imagem para ricota

Portanto, prefira alimentos mais fisiológicos. Whey Protein é soro de leite liofilizado, exatamente como a ricota que é hidratada, Como nutricionista seria interessante você fazer preparações que pudessem alternar o uso dos dois, já que ricota é mais fisiológica e muito mais barata. Sugestão: Faça uma caderninho com algumas preparações que contenham ricota, como flãs doces, vitaminas, pastas para pães.

Referências:

FISCHBURN, S.C. A influência do tempo de ingestão da suplementação de whey protein em Relação à atividade física. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo v. 3, n. 14, p. 132-143, 2009
LIMA, G. G.; BARROS, J. J.; Efeito da suplementação com carboidratos sobre a resposta endócrina, hipertrofia e a força muscular. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.1, n.2, p.74-89, Mar/Abr, 2007
HARAGUCH FK, ABREU WC, PAULA H. Proteínas do soro do leite: composição, propriedades nutricionais, aplicações no esporte e benefícios para a saúde humana. Rev. Nutr., Campinas, 19(4):479-488, jul./ago., 2006;
GUYTON, A.C.; HALL, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 11ª ed. Rio de Janeiro, Elsevier Ed., 2006.
WAITZBERG, D. L. Nutrição oral, enteral e parenteral na prática clínica. v.1, v.2. São Paulo: Atheneu, 2006.
TEIXEIRA NETO, F. Nutrição Clínica. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Koogan, 2003
WILLIAMS, M.H. The ergogenic edge: pushing the limits of sports performance. Human Kinetics, 1998

Marina Silva

Batata na Ciência: Os médicos precisam ser nutricionistas?

 

Resultado de imagem para Are the doctors nutritionists

Nutrition Bulletin banner

Are doctors nutritionists? What is the role of doctors in providing nutrition advice?

First published: 08 May 2018

Provavelmente você já consultou um cardiologista, um clínico, ou  um endocrinologista que  não prestou  atenção a seus hábitos alimentares ou ao seu estado de nutrição. Pois você não é exceção.

Este tema é discutido em um artigo publicado, on-line, no Nutrition Bulletin, sob o título “Are the doctors nutritionists?” (São os médicos nutricionistas?). O artigo discute porque os médicos perdem a oportunidade de dar orientações nutricionais corretas ao seu paciente.

  • Sabe-se que um mau estado de nutrição pode influenciar a saúde do paciente, sua qualidade de vida e aumentar os custos do tratamento.

Apesar deste fato ser de amplo conhecimento, raras vezes o tema alimentação é abordado em uma consulta médica. Isto acontece porque:

  • Para melhorar a dieta de um paciente é preciso mais que simplesmente dar alguma informação. É necessário suporte social, psicológico, além do estabelecimento de metas a serem alcançadas.
  • Embora os pacientes confiem na orientação dada por seus médicos, estes, frequentemente, têm conhecimento limitado do assunto e não estão treinados para orientar uma mudança de hábito.

Resultado de imagem para nutritional consultation

Num estudo australiano, analisadas 145.708 consultas, realizadas por 1124 médicos foram diagnosticados 227 190 problemas, mas apenas 587 (0,26%) receberam orientação nutricional ou foram encaminhados para um nutricionista.

Assim sendo, parece natural os pacientes procurarem orientação em outras fontes: internet ou mídias sociais, com o risco da ocorrência de informações equivocadas ou incompletas.

Parece que isto acontece porque:

  • Currículos das escolas médicas não fornecem educação suficiente no campo da nutrição
  • Mesmo quando educados, não é simples transmitir seu conhecimento nutricional, no que diz respeito em ensinar conceitos dietéticos.
  • O curto tempo de consulta para a maior parte das especialidades, incluindo os clínicos e os GP (General Practicers), geralmente em torno de 15 minutos, não é suficiente para uma abordagem deste tipo.
  • O grau de conhecimento dos médicos, com respeito a nutrição, varia com o conhecimento, tempo de atuação, sua especialidade, além de sua convivência com nutricionistas em seu ambiente de trabalho
  • Habitualmente melhores resultados são obtidos com o apoio de outros profissionais: psicólogos, fonoaudiólogos, nutricionistas

 

Resultado de imagem para nutritional consultation

Qual a solução?

  • Treinamento básico em nutrição dos médicos, incluindo a pratica de habilidades específicas ao suporte nutricional;
  • Introdução do ensino de nutrição nos currículos médicos
  • Trabalho, sempre que possível, em equipes multiprofissionais, com coordenação médica.

Os médicos precisam ser nutricionistas?

Não, mas têm que ser capazes de reconhecer uma dieta pobre, diagnosticar desnutrição e prescrever ou coordenar a intervenção dietética que poderá influenciar satisfatoriamente a evolução de um paciente.

Batata e Ciência: Como enganar o seu cérebro para desejar uma alimentação saudável

5.2.-David-Muñoz-Langostinos-con-coco

Mudar hábitos alimentares é uma tarefa difícil para nós que trabalhamos com nutrição. As dietas da moda têm resultados de curta duração  e quem as  a segue, muitas vezes acaba frustrado pelas restrições ou dificuldades práticas. Quando se trata de modificar os hábitos alimentares de uma família, o desafio costuma ser ainda maior, pois temos que ter soluções que atendam as necessidades nutricionais de todos os seus membros.Agora, um novo ramo de estudos, a Gastrofísica, nos ajuda a reforçar alguns conceitos simples. Este é o tema de um artigo publicado  recentemente pelo jornal inglês The Guardian. 

A Gastrofísica é um tipo de ciência, por assim dizer, dedicada a pesquisar os sabores dos alimentos e como eles se combinam para criar uma melhor percepção  do gosto. É uma disciplina que reúne, ao mesmo tempo, profissionais de várias disciplinas como psicólogos,neurocientistas,especialistas em marketing e economia.

https://medioambienteynatural.files.wordpress.com/2015/06/diverxo.jpg?w=454&h=340

Esta  equipe de especialistas não estuda apenas o gosto dos alimentos, mas sim o seu sabor, porque, tecnicamente, o gosto só acontece na língua, enquanto o sabor é parte de um efeito mais global para a pessoa. O que estes cientistas querem estudar é como os alimentos interagem para determinar o modo como percebemos os sabores. A partir daí podemos usar pequenos truques  para “enganar” o nosso cérebro e induzir-nos a uma maior saciedade. Vamos a alguns truques:

  1. Enganando o seu cérebro

Há algumas mudanças simples que você pode fazer e que podem ter um efeito profundo sobre a sua saciedade. As pesquisas mostram que o uso de  louças menores tende a levar o nosso cérebro a acreditar que estamos comendo mais, um fenômeno psicológico que pode ser melhor ilustrado dando uma olhada na ilusão de óptica Delboeuf.

A ilusão de Delboeuf é uma ilusão ótica da percepção do tamanho relativo.Na sua versão mais conhecida , dois círculos de tamanho idêntico  são colocados lado a lado e um é circundado por círculo externo. O círculo circundado parecerá maior que o não circundado se o círculo externo estiver próximo e menor se o anel externo estiver mais afastado.

One large plate and one small plate, both holding the same amount of food

Se você colocar duas porções idênticas de comida em um prato grande e em um prato pequeno, a porção no prato maior vai parecer menor, e vice-versa: o nosso cérebro não pode deixar de ser enganado por este efeito, mesmo quando sabemos que elas são iguais.

Também sabemos que servir a comida em uma pote,  em lugar de um prato, pode dar a sensação de há um maior volume, mais uma vez enganando  nosso cérebro e levando-o a pensar que há mais lá do que é realmente é o caso.

Uma pesquisa mais recente mostra ainda  que o peso de talheres e pratos tem também um efeito significativo sobre o apreço para com as refeições que comemos;  pratos, facas e garfos mais pesados oferecem maiores níveis de saciedade.

Qual a conclusão ? Sirva suas refeições em pequenas tigelas pesadas  e use  talheres também pesados para comer !

2. Torne difícil o ato de comer

 

Isto pode parecer um pouco ridículo, mas as pesquisas mostram que, se somos forçados a comer com uma mão não dominante vamos geralmente consumir menos. Mas isso não quer dizer que, necessariamente você vai ter que tornar a sua experiência de comer menos agradável. Tente usar outras maneiras criativas para  interagir com o seu alimento, como o uso de colheres de sopa japonesas para tomar a sopa, ou pauzinhos para outros tipos de alimentos – qualquer coisa, de fato, que o impeça de simplesmente por a comida rapidamente em sua boca. Alimentação consciente é a chave aqui.

3. Nada de comer em frente à TV

Nós acabamos de mencionar atenção e parece que este é um dos principais contribuintes para o quão bem e quanto nós comemos. As pesquisas mostram que consumimos cerca de 30% a mais quando estamos envolvidos em outras atividades, como assistir televisão.

Tais distrações estão se tornando muito mais comuns na mesa de jantar. Na verdade, muitas pessoas nem sequer usam o espaço reservado para o  jantar em casa, preferindo comer em frente à TV,  ou enquanto usa smartphones . No entanto, checar  mensagens e atualizar a sua rede social são maneiras infalíveis de garantir que você não está focado no alimento que você está comendo; você vai aprecia-lo menos, o que inevitavelmente resulta em redução de saciedade e ao cometimento de excessos.

Assim, o conselho aqui é para desligar a TV, coloque o telefone a carregar no outro quarto e sente-se em uma mesa de jantar para desfrutar plenamente a sua refeição.

4. Use todos os seus sentidos para comer:

Uma alimentação multissensorial nos faz comer, reforçando simultaneamente a outros sentidos, como olfato ou visão. Mas  por multissensorial se entende  mais do que isso. A ideia é ajudar as pessoas a ser verdadeiramente conscientes dos pratos a que eles são apresentados.Em casa, isso pode ser tão simples como,  antes de comer cheirar sua comida e realmente apreciar os aromas. (Muitos pesquisadores acreditam que até 90% do que percebemos como o sabor vem do nosso sentido de cheiro.)

Segurar  uma taça quente em sua mão também ajuda, assim como mastigar adequadamente (sua mãe estava certa …) e exalar enquanto você mastiga – o que estimula os receptores olfativos e aumenta ainda mais o sabor dos alimentos.

Finalmente, o foco na textura. É interessante notar que nós consumimos menos calorias quando comemos maçãs do que quando comemos purê de maçã, e menos calorias com purê de maçã do que o suco de maçã, porque nós temos mais informações sensitivas do purê do que do suco, e mais ainda da maçã real. Em outras palavras, nossos cérebros usam a quantidade de sensação que recebemos a partir da  textura como uma das pistas para nos dizer quando parar de comer.

Viu, é bem fácil enganar o nosso cérebro, não é mesmo?

Este post foi largamente inspirado na tradução do artigo:How to trick your brain into healthy eating disponível em The Guardian

Efeitos Adversos de Suplementos Alimentares

Quase todo mundo acha que usar suplementos alimentares é seguro e saudável, mas a verdade é que as coisas não são bem assim. A respeitada revista médica New England Journal of Medicine, publicou na sua edição de ontem um artigo com o título Emergency Department Visits for Adverse Events Related to Dietary Supplements (Consultas nos Serviços de Emergência Decorrentes de Eventos Relacionados a Suplementos Dietéticos).

Captura de tela 2015-10-16 09.18.58

O artigo chama a atenção para o fato de que suplementos, como produtos nutricionais suplementares herbais e micronutrientes (vitaminas e minerais), são largamente utilizados pela população americana e de resto em todo o planeta, embora haja poucos ou nenhum dado sobre seus efeitos adversos.

Os autores do artigo realizaram um estudo em que foram avaliados dados oriundos de 63 unidades de emergência, espalhadas pelos Estados Unidos, entre 2004 e 2013. Foram avaliados 3667 relatos e  estimados que 23005 consultas/ano são feitas aos serviços de emergência, relacionadas ao uso de suplementos dietéticos, e que resultam em 2154 internações anuais (95% de intervalo de confiança).

Os pacientes mais frequentemente acometidos foram adultos jovens entre 20 e 34 anos (28% das consultas), seguidos, pasmem vocês de crianças após uso acidental (21%) . Após a exclusão destes casos acidentais, 65,9% das consultas se deveu ao uso de produtos nutricionais suplementares herbais e 31,8% ao uso de micronutrientes. Como já era de se esperar, os produtos herbais, usados para perda de peso, lideraram as ocorrências, sendo responsáveis por 71,8% dos sintomas apresentados às consultas.

E quais são os sintomas que levaram os pacientes a consultar ? Palpitações, dor torácica e taquicardia foram os mais comuns. Entre a população mais idosa (maiores de 65 anos) houve a presença de choque e disfagia (dificuldade de deglutição) causada por problemas na ingestão destas pílulas (usualmente pílulas de multivitamínicos e minerais são muito grandes para serem deglutidos por esta parcela da população,que costuma ter um alto índice de dificuldades de deglutição, decorrentes do envelhecimento)

 Em conclusão: estima-se que nos EUA 23000 consultas por ano se devem a algum efeito adverso, relatacionado ao uso de suplementos alimentares. Estas consultas, mais frequentementemente, envolvem manifestações cardiovasculares secundárias ao uso de produtos destinados à perda de peso ou para aumento do gasto energético em pacientes mais jovens e problemas de deglutição, mais associados ao uso de micronutrientes (vitaminas e minerais), em pacientes mais idosos.
Quando você for usar um destes suplementos, pense duas vezes, antes de acreditar piamente no que diz o vendedor. O fato de ser um produto “natural”, não o torna necessariamente seguro e você pode sim estar correndo algum risco em utilizá-los.

Meu cachorro está gordo e dai ? : Obesidade em animais uma pista para entender a obesidade humana

Todo mundo entende porque uma criança se torna obesa: fast-food, refrigerantes, muito tempo assistindo TV, pouca atividade física…Mas será só isto ? David Allison, um pesquisador da Universidade do Alabama acha que não, e muita gente concorda com ele. Para Allison a explicação tradicional dos Dois Grandes motivos para a obesidade (excesso de ingestão e inatividade física)  não se aplica a todos os casos. Como entender, por exemplo o aumento dos casos de obesidade em crianças com 6 meses ou menos de idade ? Elas não vão a lanchonetes, usualmente estão sendo amamentadas e sua atividade física não mudou nas últimas décadas. Deve haver mais algum motivo.

Pensando nisto, Allison e sua equipe estudaram animais que vivem próximo ao homem: animais de estimação (gatos, cães) , animais de laboratório (camundongos, macacos) e também animais selvagens que vivem em ambientes próximos aos humanos: ratos, marmotas. Foram estudados mais de 20.000 animais de 24 populações diferentes, de oito espécies. Os resultados foram surpreendentes:

Em vinte e três de vinte e quatro populações, o grau de obesidade vem aumentando, como nos humanos. O aumento do peso e da obesidade nos animais aconteceu tanto em animais com a alimentação controlada, e não modificada ao longo dos últimos anos, como camundongos ou macacos, habitualmente alimentados ad libitum e sem alteração na atividade física nos últimos anos. (Eles também não têm acesso a máquinas de venda de refrigerantes ou a fast-food, por exemplo), quanto em animais vivendo em ambientes domésticos (cães e gatos) ou selvagem (ratos e marmotas).

Vejam alguns exemplos: Macacos em colônias de pesquisa: 10% de aumento, chimpanzés em laboratórios 34% de aumento em uma década, gatos domésticos 38% de aumento em obesidade, cães  domésticos 3%, ratos 21% mais obesos, camundongos de laboratório 12% por década, e mesmo em cavalos em regime de pastagem foi relatado uma incidência de 19% de obesidade.

E quais seriam os outros fatores que fazem com que humanos e animais que vivem ao seu redor ganhem peso ? Algumas respostas são óbvias: os animais domésticos estão mais sedentários e comem mais, assim como os seus donos. Mas e os ratos selvagens ? Os camundongos de laboratório ? As marmotas ? Deve haver outros fatores associados ao aumento da obesidade. Algo a ver com a proximidade aos humanos talvez.

Os ratos podem estar tendo acesso a mais alimentos, a composição e a diminuição da presença de bactérias em rações animais pode ser uma causa, alguns alimentos sofreram alterações de cultivo, a microbiota intestinal tanto de humanos quanto de animais tem sofrido alterações significativas, o aumento do estresse, associado a menos horas de sono tem sido implicada.

Alguns estudos têm mostrado que a composição da flora microbiana intestinal afeta a maneira que as calorias são extraídas dos alimentos. A diminuição das horas de sono (um americano dorme hoje, em média 7 horas, contra 9 horas há duas décadas) estimula a liberação de grelina, um hormônio que reduz os níveis de saciedade, modulados pela leptina, infecções por adenovirus-36, comuns em animais e humanos, e que aumentam com a convivência entre eles, causa obesidade em animais e o nível aumentado de anticorpos contra este vírus já foi relatado em humanos obesos.

Resultado de imagem para ratos de laboratorio obeso

Ou seja as causas prováveis são muitas e talvez não se limitem apenas à dieta e ao exercício físico. Assim, da próxima vez que notar que seu cão ou seu gato está obeso, preste a atenção, este pode ser um indicador de que alguma alteração ambiental em comum pode estar afetando a vocês dois. Mas uma coisa é clara,precisamos de mais estudos antes de tirarmos conclusões precipitadas.

PARA LER MAIS:

Klimentidis YC, Beasley TM, Allison DB  e colaboradores. Canaries in the coal mine: a cross-species analysis of the plurality of obesity epidemics. Proc R Soc B,2011:1626-34.

%d blogueiros gostam disto: