Receita: Truta marinada com ervas e salada com creme de abacate

A imagem pode conter: comida

Uma receita simples, saudável e super saborosa

INGREDIENTES:

  • 4 trutas frescas limpas
  • 1 limão
  • 5 colheres das de sopa de azeite
  • 1 punhado de tomilho fresco picado
  • 1 punhado de alecrim fresco picado
  • Dentes de alho picado a gosto
  • 1 colher das de sopa de pimenta calabresa em flocos
  • Sal e pimenta do reino a gosto

PREPARO:

  1. Reserve meio limão, Corte a outra metade em rodelas finas, Junte-as com o azeite, o tomilho,o alecrim, o alho e a pimenta calabresa em uma tigela.
  2. Tempere a truta por dentro e por fora com sal e pimenta a gosto. Depois espalhe os temperos por dentro das trutas. Deixe marinar por uma hora.
  3. Preaqueça e unte uma grelha ou frigideira antiaderente.
  4. Asse as trutas até o ponto desejado e sirva com limão

 

Para o Creme de Abacate:

  • 1/2 abacate grande
  • 1/2 pote de iogurte natural desnatado
  • 2 colheres de cebolinha picada
  • 1 dente de alho amassado
  • 1 colher de sopa de azeite de oliva
  • Sal e pimenta para temperar

PREPARO:

Bata todos os ingredientes e guarde em vidro na geladeira, no máximo por três dias

Sirva a truta com uma salada de folhas e o creme de abacate.

Autores na Cozinha:Ragoût de poisson de la mode britannique (Cozido de Peixe à Moda Britânica)

 

poisson

Ontem foi dia de Autores na Cozinha. Estou lendo um livro, literalmente saboroso, Aprendiz de Cozinheiro. O livro narra as aventuras de Bob Spitz, consagrado autor da melhor biografia sobre os Beatles, que ao terminar o seu livro, e concomitantemente seu casamento, parte para uma jornada gastronômica pelo interior da França. A prosa é ótima e ele a complementa com fantásticas receitas do dia a dia das pequenas comunidades francesas. Delicioso ! Recomendo aos que gostam da combinação literatura, gastronomia.

Ragoût de poisson de la mode britannique (Cozido de Peixe à Moda Britânica)

INGREDIENTES: para 6 pessoas

4 colheres de sopa de manteiga clarificada (ou metade manteiga, metade azeite de oliva. Prefiro só a manteiga)

8 echalotas, finamente picadas

5 dentes de alho, picados

3 colheres de sopa de estragão fresco, picado

1/4 de colher de chá de pimenta Caiena

4 colheres de sopa de conhaque

1 xícara de vinho branco seco

1 xícara de caldo de peixe (ou de mexilhões – eu usei de camarões)

1/2 de tomates italianos, sem sementes, picados (eu deixo as sementes, porque não acho que faça tanta diferença em tira-las , mas …)

1 colher de sopa de massa de tomate

1/2 xícara de creme de leite fresco ou pasteurizado

Sal e pimenta a gosta

PREPARO:

  • Derreta a manteiga numa frigideira grande, em fogo médio (Eu usei a própria panela em que iria preparar o cozido)
  • Coloque as echalotas e refogue por 3 a 4 minutos, mexendo constantemente até amolecerem
  • Despeje o alho e cozinhe mais um minuto, acrescente o estragão e a pimenta Caiena, cozinhando por mais alguns segundos
  • Acrescente o conhaque, longe do fogo, em seguida ferva até ele evaporar (pode também flambar se quiser – fica mais saboroso ainda)
  • Acrescente o vinho e deixe ferver até reduzi-lo a cerca de 4 colheres de sopa
  • Adicione os tomates e a massa de tomate e leve tudo a uma alta fervura.
  • Reduza a chama, tampe e ferva moderadamente por 30 minutos.
  • Acrescente o creme de leite e ferva, sem tampa, por 5 minutos, provando para corrigir o sal e a pimenta
  • Aumente o fogo para altura média, junte o peixe ao molho, leve à fervura e mantenha assim até o peixe ficar opaco ou por cerca de 5 minutos
  • Cubra, diminua a chama e cozinhe por mais 10 minutos.
  • Transfira para uma travessa funda e grande e decore com salsa picada.
  • Sirva com arroz ao lado’

Bon appétit !

 

 

Autores na Cozinha:Saumon en papillote aux légumes grillés

 

IMG_0646

Foto: Gabriela Magalhães

Nesta última semana preparamos uma receita light, fácil e deliciosa. O nome está em francês porque é uma receita francesa, da região do  Ródano-Alpes, que pode ser traduzida para Salmão em papillote com legumes braseados.

INGREDIENTES: para 4 porções

  • 4 colheres de sopa de manteiga
  • 1/2 xícara de cenouras cruas raladas
  • 1/2 xícara de alho-poró ralado (só a parte branca)
  • 1/2 xícara de cebola roxa cortada em julienne
  • 1/2 xícara de cogumelos de Paris cortados em julienne
  • 2 colheres de chá de estragão fresco picado
  • 4 folhas de papel manteiga cortadas em círculos de 35 cm de diâmetro. (Dica: use um prato comum como molde cortando ao redor dele – dá mais ou menos a medida e é mais rápido que ficar medindo)
  • Azeite de oliva
  • 600g de postas frescas de salmão cortadas em 12 partes iguais.
  • Sal e pimenta branca
  • 12 folhas de estragão fresco
  • 4 nacos (1 a 1 e 1/2 colher de sopa cada) de manteiga sem sal
  • 4 colheres de sopa de vinho branco de boa qualidade
  • 4 colheres de sopa de caldo de galinha
  • 4 colheres de sopa de echalotas picadas finamente

PREPARO:

Derreta a manteiga numa frigideira e acrescente os legumes com o estragão picado. Salteie delicadamente, até amolecer. Faça isto com antecedência e deixe de lado para que esfrie, para impedir que os vegetais venham a rasgar o papel.

Aqueça previamente o forno a 250 graus centígrados ou mais.

Pincele os círculos de papel manteiga com azeite e dobre-os ao meio. Abra a folha e coloque um quarto dos legumes preparados acima na meia-lua da frente de cada disco. Tempere ambos os lados do salmão com sal e pimenta.Coloque 3 pedaços de peixe por cima, num ângulo de 45 graus em relação à dobra. Comprima uma folha de estragão em cima de cada peixe, acrescente um naco de manteiga, uma colher de vinho branco, uma colher de sopa de caldo de galinha e a seguir salpique uma colher de sopa de echalotas picadas. Fica assim:

2016-05-11-PHOTO-00000530

Foto: Gabriela Magalhães

Feche as partes do papel juntando-as na parte de cima e dobrando de leve as beiradas – fazendo uma dobra de cerca de 1 cm e depois dobrando novamente um pouco mais acima, apertando bem para fechar, e repetindo o processo até lacrar completamente formando um papillote:

Coloque em uma assadeira e deixe assar por 5 minutos, ou até o papel inchar. Sirva imediatamente abrindo o papillote na mesa. Se o papillote estiver bem lacrado, ao ser aberto ele soltará um delicioso vapor quente. Cuidado para não se queimar. Bom apetite.

(Receita do Livro: Aprendiz de Cozinheiro – Bob Pitz)

 

 

Autores na Cozinha: Galeto ao Forno com Alecrim e Suflê de Beterraba

IMG_0589

Conforme prometido, e com atraso a receita da semana passada:

GALETO ASSADO COM ALECRIM

Ingredientes:

  • 02 galetos de cerca de 450g
  • 02 ramos de alecrim
  • 01 colher de sopa de mostarda escura
  • Suco de dois limões
  • 80g de manteiga
  • 1 colher de chá de açúcar mascavo
  • 2 dentes de alho
  • 1 colher de chá de sal

Como Fazer:

  1. Cortar finamente o alecrim, e misturar com a mostarda, o alho picado, limão, manteiga e açúcar.
  2. Fazer uma pasta com estes ingredientes
  3. Passar esta pasta de temperos dentro e fora do galeto
  4. Levar o galeto ao forno preaquecido a 180 graus centígrados coberto com papel de alumínio por 10 minutos
  5. Retirar o alumínio e deixar o galeto dourar
  6. Colocamos mini batatas com a casca  e também champions frescos (de Paris) para assar junto ao galeto.
  7. Asse por aproximadamente mais 10 minutos até que fique dourado e ainda esteja suculento.
  8. Para saber se está pronto, vire o galeto e deixe escorrer o caldo: se não estiver sangrando e o que escorrer for um caldo já cozido, é porque já está totalmente cozido.

(Receita do site cybercook.com.br)

SUFLÊ DE BETERRABA – Receita original dos autores

Ingredientes:

Molho Bechamel:

  • 250 ml de leite
  • 15g de manteiga
  • 15g de farinha de trigo
  • Sal, pimenta e noz moscada

Suflê:

  • 400 ml de molho Bechamel
  • Meia beterraba média cozida e picada em pequenos cubos
  • 4 ovos
  • Manteiga
  • Sal e pimenta
  • Noz moscada
  • Páprica picante
  • 3 filés de anchova em óleo

Como Fazer:

Molho Bechamel:

  1. Aqueça o leite. Derreta a manteiga em fogo médio. Adicione aos poucos a farinha, mexendo sem parar, até que a farinha esteja cozida.
  2. Despeje o leite bem quente, batendo sem parar para misturar e evitar a formação de grumos
  3. Tempere com sal e pimenta a gosto e acrescente um pouco de noz-moscada ralada
  4. Passe o molho por uma peneira fina. Conserve-o aquecido, misturando de vez em quando para impedir a formação de uma película na superfície.

Suflê:

  1. Acrescente a beterraba picada ao molho Bechamel e mexa  bastante.
  2. Acrescente um pouco de páprica picante (lembre-se que ela é apimentada) e continue mexendo
  3. Acrescente os três filés de anchova triturados com as mãos e mexa mais uma vez, certificando-se de que eles se espalharam bem pela mistura
  4. Preaqueça o forno a 220 graus centígrados
  5. Bata as claras dos ovos em neve com uma pitada de sal.
  6. Adicione as gemas ao molho Bechamel, uma por uma, misturando bem a cada vez.
  7. Depois acrescente as claras em neve, mexendo suavemente, sempre no mesmo sentido, com a colher de pau, para não desmancha-las.
  8. Unte com a manteiga uma forma de cerca de 20 cm de diâmetro e coloque o suflê
  9. Leve ao forno por 30 minutos ou até que o suflê tenha crescido bastante, sem abrir a porta do forno
  10. Sirva imediatamente

Autores na Cozinha:Receita de Alcachofra provençal com atum grelhado

IMG_0477

(Foto: Gabriela Magalhães para batatafritapode)

Hoje voltamos com as receitas. Sim, estamos de volta à cozinha. Para esta segunda, fizemos e acabamos de saborear este atum com alcachofras. Fácil de fazer, suave, nutritivo e muito gostoso. A receita é do site Comida e Receitas

Por Clotilde

Ingredientes

  • 4 escalopes de atum com 120 gramas cada
  • 4 fundos de alcachofra
  • 1 cabeça de alho fatiada
  • 1/2cebola fatiada
  • 2 tomates picados sem sementes
  • 50g de bacon cortado em cubos
  • 1 colher (café) de ervas de provance
  • 300 ml de vinho branco seco
  • 200 ml de azeite de oliva extra virgem
  • Sal e pimenta do reino a gosto
  • Folhas de manjericão para decoração

Modo de preparo

  • Refogue o bacon com um pouco de azeite, acrescente o alho e a cebola até ficar transparente, junte o tomate, as ervas de Provance e o vinho branco.
  • Deixe cozinhar por aproximadamente 15 minutos.
  • Coloque os fundos de alcachofra já pré-cozidos ao molho e deixe por mais 5 minutos.
  • Tempere com sal e pimenta.
  • À parte, grelhe o atum de um lado só deixando-o rosado.
  • Sirva o atum com as alcachofras e folhas de manjericão fresco por cima.

Rende 4 porções

 

DICAS: do site Dedo de Moça

  1. Como limpar alcachofra:

Para muita gente, cozinhar e limpar uma alcachofra é motivo de pânico.

Aproveitando que chegou a época e que elas estão lindas e brilhantes nos balcões da feira, resolvemos demonstrar como retirar o fundo da alcachofra, que é a parte mais usada e  mais “carnuda”.

Se desejar servi-la inteira, apenas cozinhe-a em água com sal e limão até que ao puxar, as folhas se desgrudem com facilidade.

Para servir dessa forma, você pode preparar um molhinho a base de azeite, vinagre de vinho branco, cebola e salsinha bem picadinhas.

Abaixo, um quadro com o passo-a-passo da limpeza da alcachofra:

para retirar o fundo da alcachofra, você deve cortar as folhas e retirar os pêlos do interior (1 e 2).

Com uma faca bem afiada, vá cortando toda a lateral e retirando as folhas até ficar com o fundo bem carnudo (3, 4 e 5).

Cozinhe imediatamente em água com sal e suco de limão, por 20 minutos ou até que fique macia.

Com uma colher retire os espinhos e descarte-os (6).

A alcachofra limpa, ficará dessa forma:

2. Coloque um pouquinho da água que você cozinhou a alcachofra no molho. Fica ótimo.

Eu comi uma crepioca ontem (e gostei!)

Pensei em escrever esse texto logo após terminar um saboroso prato de crepioca que meu marido fez para mim no jantar ontem a noite. Crepioca, para quem não sabe, é uma receita de omelete com tapioca, que foi criada para se adequar as múltiplas orientações de quem quer ter uma vida e uma alimentação mais fitness. Naturalmente, como vocês bem me conhecem, eu torceria o nariz para introduzir esse tipo de preparação na minha dieta, mas confesso que me surpreendi ao colocar o primeiro pedaço da crepioca na boca. Essa surpresa que motivou minhas reflexões abaixo.

O universo da nutrição se tornou um ambiente tão cheio de “achismos” e “modismos” que atualmente vivemos em uma batalha constante entre os que acreditam em tudo que a mídia fala, contra os que defendem a prática de uma alimentação mais normal (eu me encaixo aqui!). Essa batalha, apesar de válida em muitos momentos, tem nos tirado um dos maiores benefícios da curiosidade humana: a possibilidade de experimentar novos sabores.

São tantas receitas fitness ou emagrecedoras que são divulgadas para ajudar a perder aqueles quilinhos indesejados, que nós esquecemos de perceber que muitos desses pratos são muito mais do que alternativas nutricionais para alcançar o objetivo desejado: elas são experiências gastronômicas muito interessantes. É claro que eu não estou falando aqui do brigadeiro de whey protein, ou do smoothie feito com albumina, mas sim das receitas que usam ingredientes que são naturais, mas que tem sido classificados como fitness por causa desse modismo maluco que atinge os nossos hábitos alimentares (sim, eu estou falando da tapioca).

crepioca

Imagem: Na Mira

Pego como exemplo a própria crepioca. O omelete é um delicioso prato, rico em proteínas animais e gorduras benéficas para a nossa saúde. A adição da tapioca no seu preparo, além de enriquecer o alimento com boas doses de carboidrato, dá ao omelete uma textura diferente, que lembra muito um crepe (dai o nome “crepioca”), transformando a experiência em consumir o omelete em algo completamente diferente. Outro bom exemplo é o suco verde. Eu sou contra quem usa esse suco para poder seguir rotinas detox e aumentar a eliminação de toxinas do corpo (aliás, ainda não descobri quais são essas toxinas tão perigosas que meu corpo produz e que o suco verde elimina. Se vocês descobrirem me contem!), mas sou a favor de quem consome essa bebida porque gosta do sabor e porque valoriza a mistura de nutrientes que ela oferece.

O que estou querendo dizer com toda essa reflexão é que, talvez, nós nutricionistas devemos baixar a guarda nesta batalha do “certo ou errado”. Se seu paciente quer comer um pote de iogurte por dia com uma colher de sopa de Goji Berry, qual seria o problema? Se ele gosta do sabor, está satisfeito e está se mantendo saudável assim, o Goji Berry não é o problema. Precisamos ensinar nossos pacientes a escolher melhor seus objetivos na hora de comer os alimentos, e não necessariamente escolher os seus alimentos porque isso ou aquilo “cientificamente não funciona”. Se o objetivo final do seu paciente é viver bem e com prazer, porque não permitir que ele coma sua crepioca? Ou sua panqueca de banana? Ou seu pão com manteiga de amendoim? Ou a sua tapioca com queijo? Essas receitas são tão saborosas, e nutritivas, quanto o nosso tradicional prato de arroz com feijão, ou qualquer outra sugestão feita por vários nutricionistas espalhados pelo país.

Quando nos tornamos menos resistentes a essas “novidades” do mercado, e aprendemos a apreciar seu valor em uma alimentação equilibrada e não restritiva, nós ganhamos a confiança do nosso cliente, e também aprendemos a abrir nosso coração para outras opções de pratos e alimentos extremamente saborosos.

Obs1: Sim, vou adicionar a crepioca ao meu cardápio semanal, especialmente por sua praticidade.

Obs2: Não, eu continuo sendo contra a ingestão de receitas elaboradas com isolados de proteína e seus derivados fitness.

Obs3: Esse texto não justifica a prática de uma dieta glúten free ou lactose free por indivíduos que não apresentam, respectivamente, doença celíaca ou intolerância à lactose.

Obs4: Aceito sugestões de receitas sempre!

escritopor2marina

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: