E o GH?

Na última postagem do blog (E o tal monavie?) recebemos um pedido e achamos interessantíssimo falar um pouco mais sobre um assunto que desperta interesse de muitos jovens, principalmente praticantes de atividade física: o homônio GH.

O tão falado e procurado GH é um hormônio do crescimento, produzido pela hipófise, uma glândula localizada no cérebro. A principal função desencadeada por este hormônio é a promoção do crescimento de todo o corpo humano através da sua ação interventiva na formação proteica, multiplicação celular e diferenciação celular. A sua deficiência ou excesso é capaz de promover anomalias como nanismo, gigantismo e acromegalia.

A dúvida que surgiu em um de nossos leitores foi a respeito do ganho de massa muscular e perda no % de gordura com o uso do GH. Primeiramente, gostaria de salientar que o GH é um HORMÔNIO que pode ser utilizado como MEDICAMENTO e não deve ser usado sem a recomendação M-É-D-I-C-A de um endocrinologista!

De acordo com o decreto 20.931 de 11 de Janeiro de 1932, a prescrição de medicamentos é dos deveres do profissional médico, além de cirurgião dentista e médico veterinário. As prescrições de medicamentos controlados por cirurgiões dentistas e médicos veterinários só poderão ser feitas quando para usos odontológicos e veterinários, respectivamente, conforme Art. 38 da Portaria SVS/MS nº 344/1998 .
O GH promove aumento de síntese proteica, elevação dos níveis de lipólise (aumentando a concentração de ácidos graxos no sangue que serão utilizados como energia através do acetil coenzima A) e redução na utilização do carboidrato para produção de energia (ao invés de utilizar a glicose proveniente dos carboidratos como energia, o corpo passa a utilizar a gordura, aumentando os níveis séricos de glicose e ácidos graxos no sangue).
Em suma, ele promove a queima de gordura ao mover os lipideos armazenados para a corrente sanguínea para ser utilizada como energia. Por conta desse efeito mobilizador de gordura, o GH reduz a quantidade de glicose e proteínas usadas como combustível. Então, altos níveis de GH protegem a perda de massa magra, resultam em alguma redução do tecido adiposo e aumenta a glicose sanguínea.

Consequências:

Mesmo quando descontinuada a administração do hormônio, os níveis de glicemia podem não retornar ao normal. Os níveis altos de glicose no sangue fazem com que o pâncreas produza cada vez mais insulina, criando a chamada “resistência insulínica”, que é a redução da sensibilidade tecidual à ação da insulina. Assim a glicose não consegue entrar na célula, para que gere energia, e permanece na corrente sanguínea tornando o individuo diabético.

Pode também surgir traços acromegalóides. Acromegalia pode ser definida como um crescimento desproporcional em diversas vísceras, tecidos moles, órgãos internos e alguns ossos membranosos como os das mãos, pés, nariz e mandíbula. Além disso, em alguns indivíduos o GH diminui os níveis do hormônio T3 (ativo) enquanto aumenta a Tireóide inativa T4. Quando os valores de T3 são baixos o ritmo da síntese protéica pode diminuir, o que conseqüentemente pode diminuir também o anabolismo muscular.


Acromegalia em homens


Enfim, não existe razão para o uso abusivo de GH em atletas ou praticantes de atividade física a não ser nos casos raros de hipopituitarismo. Não há vantagem nenhuma em tomar hormônios, o que existe são as desvantagens do custo e suas consequências.  
Anúncios

Uma resposta em “E o GH?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s