Notícias de Harvard

Tenho visto várias pessoas colocando no twitter e no facebook o link referente ao ‘aviso’ de Harvard sobre leite e derivados. Inclusive profissionais do ramo. Senti uma mistura de indignação com revolta. O título do link era ” Harvard: Laticínios não fazem parte de uma alimentação saudável”. Imagino que, uma pessoa leiga, já ia ficar com a pulga atrás da orelha. Imagina um (a) nutricionista!
Logicamente fui ler o que estava escrito, na íntegra.
Pra vocês entenderem melhor: 
Tudo começou quando a USDA (departamento de agricultura Estadunidense) resolveu desbancar a velha pirâmide alimentar e aplicar uma nova forma didática de informar como devemos ter uma alimentação saudável – o “MyPlate” (já falado aqui). Harvard resolveu pegar no ponto fraco da USDA e montar o seu próprio ‘My Plate’ (você pode, se tiver conhecimento em inglês, ler sobre aqui ). Segundo a própria universidade, esse novo materal foi proposto porque ” infelizmente, assim como a velha pirâmide alimentar descrita pela USDA, o novo método, o MyPlate, mistura ciência com os interesses dos agricultores americanos poderosos, o que não é a receita para uma alimentação saudável. Já o nosso material, o Heatlhy Eating Plate – que numa tradução livre significa ‘O prato da alimentação saudável’ – é baseado nas melhores evidências científicas e dá aos consumidores a informação que eles precisam para fazer escolhas que vão afetar sua saúde e bem estar”

E dentro dessa confusão toda, Harvard colocou como diferencial do My Plate para o Healthy Eating Place a redução do consumo de produtos derivados do leite – e o próprio leite. Como eles mesmos escreveram “o alto consumo desses alimentos pode aumentar o risco de câncer de próstata e ovário”. Assim como “esses alimentos geralmente têm alto teor de gordura saturada. Alimentos como couve, acelga, leites de soja fortificados e feijões são fontes mais seguras de cálcio, já que tem menos quantidade de gordura saturada e  uma boa quantidade de outras vitaminas e minerais”. 
Primeiro motivo da minha revolta: Algumas pessoas não leram o artigo inteiro, apenas a manchete. Um absurdo, pois, após ler tudo você consegue captar a mensagem da universidade. Então simplesmente passaram a mensagem “TIREM LEITE E DERIVADOS DA SUA ALIMENTAÇÃO!”.
Segundo motivo da minha revolta: o excesso de cálcio SIM pode ter relações com câncer, mas isso não quer dizer que é fator causal. Alguns estudos já abordaram essa relação – depois faço um post sobre isso – mas não podemos excluir o leite da nossa alimentação, afinal, o câncer é um fator multifatorial e essa relação deve ser analisada detalhadamente.
Terceiro motivo da minha revolta: Harvard que me desculpe, mas não acho que essa foi a forma certa de abordagem. Sim, existem alternativas paralelas para o consumo de cálcio (que é essencial!) que podem ser usadas. Mas não há necessidade de EXCLUIR os derivados do leite, uma vez que não há um problema específico para essa abdicação. Isso porque o leite não tem só cálcio: ele tem outras propriedades importantes. É interessante procurar produtos desnatados – pois esses tem uma redução de gorduras, que, em excesso, podem causar o aumento do colesterol, por exemplo. 
Quarto motivo da minha revolta: o estudo de Harvard com certeza foi direcionado para os padrões de vida americanos. Mas pensando na vida dos brasileiros e brasileiras, isso me preocupa muito. Hoje em dia, na prática clínica, posso afirmar que 8 entre 10 mulheres tem algum quadro de osteopenia ou osteoporose – muitas vezes precoce. Isso pela pouca exposição ao sol (isso causa um défcit no metabolismo da vitamina D, que atrapalha o metabolismo ósseo – falando de forma leiga); pela ingestão inadequada de cálcio (dietas malucas que incentivam a redução ou abnegação de alimentos derivados do leite e que contém glúten) e pela redução da prática de exercício físicos. 

Qual a conclusão disso tudo? Não façam consultas via jornal/revista/reportagem de revista eletrônica e etc. Procurem um profissional (sério!) e filtrem mais as informações!!! Realmente algumas pessoas não toleram certos tipos de alimentos. Mas é importante lembrar que cada indivíduo tem uma particularidade!

Espero ter esclarecido essa ‘confusão’.

Abraços!

Até a próxima!!!

Anúncios

5 respostas em “Notícias de Harvard

  1. Amei sua postagem. Em primeiro lugar, devemos filtrar sim, até pq sabemos exatamente o que os "Norte Americanos" pretendem. E em segundo lugar, nós temos profissionais excelentes aqui no Brasil que podem nos esclarecer sempre… esse negócio de acreditar em tudo que lemos na net, já era. E em terceiro, veja só o caso dos silicones, mais uma prova de que as verdades científicas são provisorias e que devemos ter cuidado.Obrigada pelo esclarecimento, pois adoro leite e seus derivados.Bj

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s